Archivo del sitio

Se Llama Copla 5 – Gala 06 – 22.10.2011


Eva GONZALEZ prosseguiu a campanha de diabolização de Selina DEL RÍO, emitindo juízos e (des)propósitos claramente tendentes a sabotar a base de apoio com que Selina conta desde o início desta edição do concurso. Talvez para dissimular a sua parcialidade “selectiva”, levou ainda mais longe o mau gosto, atacando, para a destabilizar, a doce Rocío PELÁEZ, numa fase do concurso em que esta já tem que gerir a pressão (legitima!) dos candidatos a concorrentes.

Uma vez mais, as fronteiras da ética de exploração dos media foram ultrapassadas, ainda que, desta vez, na presença de Selina.

Foi bem visível a pressão exercida por Eva para obter “desculpas” – a insistência roçou a impertinência, e a quase incontrolável irritação que o insucesso lhe provocou por pouco não degenerou em mais uma exibição de baixaria, a juntar às inúmeras de “Viernes noche”.

Sendo o concurso financiado principalmente pelas chamadas dos telespectadores, estranhamos que a sociedade comercial produtora tolere que fornecedores como Eva GONZÁLEZ e Luis MUÑOZ se apropriem e consumam uma parte significativa do tempo de emissão a diabolizar concorrentes… o que redunda objectivamente em apelo à abstenção, e à inevitável perda de receitas!

Como é sabido e explicado por todos os especialistas de marketing, os fenómenos ditos “de transferência” nunca compensam publicidade negativa. As campanhas de Muñoz & González são claramente hostis aos interesses da empresa produtora, a quem, pelo menos por motivo de racionalidade económica, talvez conviesse por côbro ao abuso antes que do mal praticado só reste o prazer que os respectivos autores fruíram.

Na entrevista desta gala, Selina DEL RÍO esteve digna, bem, coerente. Olé por Selina!

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Selina DEL RÍO, “El anzuelo“, de Ochaita, Valerio e Solano. Vestida por Sonia Peña.

© CanalSur

Mari Carmen MOLINA, “La cruz de mayo, de Valverde e Font de Anta. Esplêndidamente vestida por Foronda.

© CanalSur

Jonatan SANTIAGO, “Amor maldito, de J. Bazán e Rabay

© CanalSur

Macarena SOTO, “La guapa de Gibralfaro, de León e Quiroga. Vestida por Pepe Fernandez e Sevillania

© CanalSur

Álvaro DÍAZ, “Torre de arena, de Llabrés, Gordillo e Sarmiento

© CanalSur

Cintia MERINO, “Mis trenzas, de Guerrero e Castellano. Vestida por Ismael González.

© CanalSur

Rocío PELAÉZ, “Antonio Romance, de Gordillo. Vestida por Sonia & Isabelle.

© CanalSur

Cristina SERRANO, “La chiquita piconera, de León, Castejón e Quiroga. Elegantemente vestida por Nelson e Carreras.

© CanalSur

Ana Pilar CORRAL, “Tatuaje, de Valerio, León e Quiroga. Vestida por Misura.

© CanalSur

Juan Francisco CURADO, La hija de Don Juan Alba, de Francisco Infantes e Luis Rivas

© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*

Desafio pela imunidade:

Alvaro DIÁZ vs Cintia MERINO – “Campanero jerezano, de Tenorio, San Julián e Freire

© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*

Desafio final

Cristina SERRANO vs Cristina GARCÍA – “A tu vera, de León e Solano.

© CanalSur

Cumprimentamos a excelente Cristina GARCÍA, pelo seu nível artistico e pela elegância que demonstrou ao perder frente a Cristina SERRANO, que prossegue o seu brilhante percurso no programa.

Se Llama Copla 4 – Gala 15 – 08.01.2011

Isabel GENIZ foi, no nosso modesto entender, a grande vencedora da noite, com uma interpretação brilhantíssima de “Elvira la cantaora“, de Quintero, León e Quiroga. Belo vestido de Aurora GAVIÑO.

© CanalSur

Patricia DEL RÍO cantou com suprema graça, desenvoltura e salero “Mira que eres malo conmigo“, de Naranjo e Solano. Belo vestido de Cristo BÁÑEZ.

© CanalSur

Remedios CASTRO interpretou com acerto, mas também com algum temor “La Emperaora“, de Llabrés, Molina Moles e Gordillo. Passeou com a distinção que a caracteriza um elegantíssimo vestido de Luchi CABRERA.

© CanalSur

Anaraida SÁNCHEZ, ainda que afectada fisicamente, conseguiu mesmo assim defender com qualidade “La lumbre de tu cigarro“, de Ochaíta, Valerio e Solano. Vestido de Ángeles VERANO.


© CanalSur

Álvaro VIZCAÍNO interpretou magistralmente “La hija de Don Juan Alba“, de Francisco Infantes e Luis Rivas.


© CanalSur

Verónica ROJAS deu-nos uma versão intimista, plena de subtileza e de doçura, de “La cruz de mayo” (Valverde, Font de Anta). Elegantíssima, num belo vestido de Manuela GONZALEZ.


© CanalSur

Inma GARCÍA II emprestou grande brilho vocal e interpretativo a “No me llames Dolores“, de León e Quiroga. Vestido de Manuela BERRO.


© CanalSur

Mila BALSERA teve a sua merecida noite de glória com “Aquella Carmen“, de León e Solano. Luziu belo vestido de Creaciones MARICRUZ.


© CanalSur

Juanma JEREZ – “Mis tres puñales“, de León e Solano.


© CanalSur

Álvaro HERNÁNDEZ – “Cinco farolas“, de Ochaíta, Valerio e Solano.


© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Desafio final:

No primeiro desafio defrontaram-se Isabel GENIZ e Sandra RUIZ cantando “Ay pena penita“, de Quintero, León e Quiroga.

Duas grandes vozes, uma grande interprete. Entendemos que Isabel esteve magnífica, e Sandra clássica. Olé pela decisão do júri!!!


© CanalSur

© CanalSur

No segundo desafio defrontaram-se Inma GARCIA II e Juan Jesús SERRANO cantando “La bien pagá” de Quintero, León e Quiroga.

© CanalSur

© CanalSur

Inma esteve grande, até imensa. É lamentável que, no seu caso, a sensibilidade tenha faltado ao júri, que privou o concurso de um dos seus maiores valores, optando por um candidato de qualidade, mas que não é portador de quaisquer mais-valias.

Copla es arte mayor saúda a magnífica artista e a excelente pessoa que se reúnem em Inma GARCIA II, a quem auguramos uma fulgurante carreira!

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Quanto ao júri:

Pive AMADOR: apreciámos sobremaneira os votos de confiança em Isabel e em Inma.

Manuel LOMBO esteve bem.

Marta QUINTERO continua afectadissíma pelo síndroma da mudança, que é tanto mais grave quanto se furta a motivar as suas decisões.

Hilario LÓPEZ: em boa forma, tão só prejudicada pela decisão que levou ao abandono de Inma.

Se Llama Copla – 2010 – 10° Desafio – 12.06.2010

Coral 2a“El beso”, de Ortega e Moradela

© CanalSur

Nazaret COMPAZ“La cruz de Mayo”, de Valverde e Font de Anta. Vestida por Loli VERA.

© CanalSur

María LOZANO“Percheles”, de Ochaíta, Valerio e Solano. Vestida por

© CanalSur

Verónica CARMONA“Tres, tres”, de Ochaíta e Solano. Belíssimo vestido de Pilar VERA.

© CanalSur

Juan CALERO“A ciegas”, de Quintero, León e Quiroga

© CanalSur

Erika LEIVA“Mi niña Lola”, de Moles, Torres Garzón e Rivas. Vestida por Miguel REYES.

© CanalSur

Miriam DOMÍNGUEZ“Señorita”, de León e Solano. Vestida por Ángeles VERANO.

© CanalSur

Nicolás GARCÍA“Cada cual por su camino”, de Román y Naranjo

© CanalSur

Juan Carlos MATA“Que guapa eres”, de Murillo e García Morcillo

© CanalSur

Antonia GÓMEZ“Cinco farolas”, de Ochaíta, Valerio e Solano. Vestida por MASELL.

© CanalSur

Álvaro LÓPEZ“Antonio Vargas Heredia”, de De la Oliva, Mostazo e Merenciano

© CanalSur

Rosa MARÍN“La niña de Punta Umbría”, de Ochaíta, Valerio e Solano. Vestida por Marco ZAPATA.

© CanalSur

Laura GALLEGO“Los niños de la Gabriela”, de Quintero, León e Quiroga. Vestida por Amparo MACIA.

© CanalSur

Desafio final:

Erika LEIVA“Compañero”, de León e Solano

© CanalSur

Nicolás GARCÍA
“Separaos”, de Ignacio Román e Rafael Jaén

© CanalSur

Nazaret COMPAZ“Que me perdone Dios”, de Molina Moles e Gordillo

© CanalSur

4M

Se Llama Copla – 2009/2010 – Gala 20 – 30.01.2010

Primeira gala “fatal”, principio da subida lenta, mas inexorável, até à final.

Convidado: Pansequito, aka José Cortés Jiménez, Cantaor, marido da grande Cantaora sevilhana Aurora Vargas. Nascido em La Línea de la Concepción, cresceu em Puerto de Santa Maria. Tinha quinze anos quando Manolo Caracol o ouviu e contratou para trabalhar em Ma drid, nos “Canasteros”, o seu célebre tablao flamenco.  Na mesma época também cantou em várias companhias de baile flamenco, entre elas a de Antonio Gades.

Artista profícuo, a sua carreira nos últimos anos está centrada nos festivais andaluzes em Espanha e no exterior. Das suas gravações mais recentes destaca-se “A mi bahía” (2001) e “Un canto a la libertad” (2009).

Esteve discreto, excepto em dois momentos: quando “castigou” Mercedes alinhando-se pela votação dos outros membros do júri, e quando premiou Juan Carlos… pelas suas raízes gaditanas.

Deu-nos uma versão algo atípica de “La Salvaora”, quiçá condicionada pela decisão radical de não se inspirar nas versões do [seu] Mestre Caracol.

As melhores presenças da noite:

Verónica, que com “Tres tres” teve o seu merecidíssimo triunfo. De destacar a sua extraordinária versatilidade artística, bem visível quando se analisam as suas interpretações da copla desta gala e de “La Loba”.

© CanalSur

Alejandra, interpretando “Habla con los ojos” com a sua habitual segurança e mestria. Esteve menos bem quando deixou instalar a polémica estéril relativa às questões “estratégicas”, tão estéril quanto desencadeada por asserção (“… Todo son estrategias…”) de que ela própria é autora.

© CanalSur

Laura, que bordou o “Romance de Zamarrilla” num magnifico vestido de Sevillania.

© CanalSur

Álvaro, pela sua magnifica prestação no desafio que o opôs a Mercedes.

© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Tiveram actuações de destaque nesta Gala 20:

 
Sandra ARCO manteve a sua alta qualidade interpretativa, enriquecida pela doçura de que faz prova ao ser capaz de dominar cada vez melhor a voz. Cantou “La cruz de mayo” e luziu um belo vestido de Miguel REYES.


© CanalSur

Raquel PEÑA estreou-se com uma primorosa interpretação de “Calandria, calandria”, peça quase desconhecida do imenso acervo da copla espanhola. Raquel impressionou particularmente pelo controlo vocal e pela segurança da sua presença cénica:

© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Sobre o júri:

Pepe GOMEZ esteve bem, e apreciámos sobremaneira o 10 que deu a Verónica.

Maria JIMÉNEZ esteve muitíssimo bem, não só pelo 10 que também deu a Verónica, mas ainda pela acutilância das suas observações sobre a lamentável atitude de Mercedes.

Hilário LOPEZ teve uma das suas melhores noites de gala, em que deu largas à sua excelente (e sempre oportuna!) veia poética.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Pive AMADOR suportou – pela derradeira vez – a impertinência e deslealdade de Mercedes RÍOS. Manteve-se estoicamente fiel ao sentido do dever profissional que sempre demonstra, fazendo passar a objectividade na apreciação da personagem à frente dos sentimentos que inspira. Apreciámos o seu voto de confiança em Álvaro.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Por razão de ausência, este post é curto e terá que ser completado conforme as possibilidades de acesso aos recursos informáticos indispensáveis. Aqui deixamos as nossas desculpas a todos os visitantes. Grande OBRIGADO ao canal Youtube de Atanasiass, pelos excelentes videos e a amabilidade em consentir a sua utilização!

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

2M

A %d blogueros les gusta esto: