Archivo del sitio

Se Llama Copla 4 – Gala 29 – Final – 16.04.2011

Gala final da 4.a edição

Alejandra RODRIGUEZ abriu musicalmente a pré-gala cantando “Tientos del cariño” (Molina, Gordillo, Quintero e León Arias). Subtil, magistral: domínio perfeito do cenário e dos textos poético e musical! Vestido esplêndido de Eva ZAMORANO.


© CanalSur

Veronica ROJAS deu início à recta final do concurso interpretando “En una esquina cualquiera” de León, Molina Moles e Quiroga. Vestida por Matilde CANO.


© CanalSur

Seguiu-se Alvaro VIZCAÍNO, mesmerizante com a sua pessoalíssima versão de “Limosna de amores” (Quintero, León e Quiroga).


© CanalSur

Anaraida SÁNCHEZ resumiu o seu magnifico percurso no programa interpretando “Te he de querer mientras viva“, de León e Quiroga. Sentimento, quejío, fabuloso sentido estético e interpretativo. Grande Anaraida, grande, grande Anaraida! Luziu belíssimo vestido de CAÑAVATE.


© CanalSur

Concluiu a primeira parte Fran DOBLAS, com uma boa interpretação de “Pastora Imperio” (León e Solano).


© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Alejandra RODRIGUEZ introduziu os desafios finais com uma das suas coplas de referência. Cantou “El emigrante” (Valderrama, Pitto e Serrapi), conseguindo inovar e recriar a sua própria versão. Vestida com suprema elegância por MISURA.


© CanalSur

Veronica ROJAS e Alvaro VIZCAÍNO disputaram o primeiro desafio cantando, respectivamente, “Tatuaje” (Valerio, León e Quiroga) e “Mi niña Lola” (Moles, Torres Garzón e Rivas).


© CanalSur

O público decretou o 4.o lugar para Verónica.

Coube em seguida a Anaraida SANCHEZ (vestida por CAÑAVATE) enfrentar-se a Alvaro VIZCAíNO. Desafio de gigantes, cujas vozes e estilos cobrem os mais largos espectros da copla, em que cantaram, respectivamente “Mi amigo“, de León e Solano, e “Romance de Juan Osuna“, de Quintero, León e Quiroga.

O público decretou o 3.o lugar para Alvaro.


© CanalSur

O primeiro lugar foi disputado entre Fran DOBLAS e Anaraida SÁNCHEZ.

Fran cantou “Sevilla” (Alejandro e Beigbeder), e Anaraida deu-nos uma impressionante exibição de canto e desempenho dramático interpretando “La Loba” (León, Molina Moles e Quiroga).

O público decretou o 1.o lugar para Fran DOBLAS.


© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Considerações finais

Nível artístico:

No início desta edição notou-se alguma dificuldade na selecção de concorrentes de alto nível. É de sublinhar que os quatro finalistas tenham sido exclusivamente concorrentes da primeira hora.

A organização do concurso revelou grandes fraquezas no que respeita aos dispositivos de arbitragem. Em muitas ocasiões a apreciação do júri foi totalmente neutralizada pela votação do público, noutras ocasiões a perseverança do júri em manter candidatos manifestamente indesejados pelo público introduziu distorções com impacto certo no resultado final.

Candidatos:

Pasaram pelo concurso excelentes candidatos, estrelas potenciais que brilharão no panorama musical espanhol. São de destacar:

Remedios CASTRO, Isabel GENIZ, Patricia DEL RIO, Maria Jose AGUILAR, Rocío NAVARRO.

Produtor:

Pive AMADOR acrescentou mais um êxito rotundo aos anteriores. Brilhou também pelas atitudes francas e transparentes.

Júri:

Globalmente, esteve bem.

Marta QUINTERO foi o elemento mais operante, mais prudente e mais sereno. Nota máxima!

Hilário LOPEZ aliou a serenidade e displicência dos decanos sábios à participação construtiva, que só falhou pontualmente em raras galas.

Manuel LOMBO : começou muitíssimo bem, comportando-se como meteoro em ascendência até ao fim de 2010. A partir daí deixou-se envolver em situações menos claras (p.ex. cantar em espectáculo publico com Veronica ROJAS) e deu azo a polémicas ridículas (incidente da votação telefónica em Mila BALSERA) que desvalorizaram as suas excelentes prestações técnicas. É um grande cantor e foi excelente analista do desempenho técnico e artístico dos concorrentes, sendo em geral justo e equitativo (com excepção marcante na decisão de atribuição de um certo “9” a Anaraida).

Se llama Copla 4 * Gala 02 * 09.10.2010

Anaraida SÁNCHEZLa Loba, de León, Molina Moles e Quiroga. Vestida com suprema elegância por Ana TORRES.


© CanalSur

Inma GARCÍA IISeñora vecina, de Murillo e Segovia. Muito bem vestida por Amparo MACÍA.


© CanalSur

Remedios CASTROMaría Magdalena, de León, Valverde e Quiroga. Vestida por Aurora GAVIÑO.


© CanalSur

Verónica ROJASCorona de perlas, de Pérez Ortiz, Naranjo, Rivas. Vestida por Pilar VERA.


© CanalSur

Francisco DOBLASLa niña de Punta Umbría, de Ochaita, Valerio e Solano.


© CanalSur

Álvaro VIZCAÍNOMi Córdoba soberana, de López e Núñez.


© CanalSur

Marisol DELGADOPicadita de viruelas, de Quintero, León e Quiroga. Luziu elegantíssima criação de Cristo BÁÑEZ.


© CanalSur

Mariló RUIZVa por usted, de Burgos e Porlán. Vestida por Luchi CABRERA.


© CanalSur

María José AGUILARCallejuela sin salida, de Quintero, León e Quiroga. Vestida por Pitusa GASUL.


© CanalSur

Mario FERNÁNDEZMe embrujaste, de Quintero, León e Quiroga


© CanalSur

Desafio final:

Cantando “Triniá”, de Valverde, León e Quiroga, disputaram o desafio final a decana Mariló RUIZ e a onubense Veronica ROMERO, que nos pareceu ter de algum modo provocado o jurí ao adoptar uma postura de laureada inevitável.


© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Quanto ao jurí:

Pepe “El marismeño” foi substituído por Manuel LOMBO, que se estreou com objectividade louvável, rigor construtivo na apreciação e moderação na pontuação.

Marta QUINTERO utiliza critérios pertinentes, menos técnicos e mais artísticos, contribuindo de forma muito positiva para a equidade das decisões.

Hilario LOPEZ recusa claramente as responsabilidades de decano do jurí, preferindo ater-se a critérios subjectivos estreitamente ligados ao impacto sensorial que cada actuação lhe produz.

Pive AMADOR mantém o seu elevado sentido crítico, que exerce de forma acutilante e construtiva.



Se Llama Copla – 2009/2010 – Gala 14 – 19.12.2009

Convidado: David CIVERA. Representou a Espanha no Festival da Eurovisão de 2001, obtendo um honroso 6.o lugar. Aberto, bem disposto, objectivo nas votações, contribuiu de forma muito positiva para aligeirar a tensão que progressivamente se instalou no decorrer da gala. Apreciámos e aplaudimos particularmente a pertinência do 10 que deu a Selene MOLINA.

Em tempo: observadora amiga e atenta chamou-nos a atenção para a sofisticadissíma – e belissíma! – versão de “Suspiros de España” com que David nos presenteou. Aqui fica a menção, que partilhamos sem reservas!

As melhores presenças da noite:

Alejandra: mais uma noite de glória musical com “Ay mi perro”, que foi imenso sucesso nos anos 50 na voz da Niña de Antequera. A glória de Alejandra não foi tão só musical: a nobreza da sua atitude e propósitos quando confrontada aos comentários de Mercedes RÍOS na passada gala, foram os de uma grande Senhora. Demonstrou inteligência e circunspecção ao recusar-se a alimentar a mediatização do incidente. OLÉ ALEJANDRA! Vestido notável de Amparo MACIÁ.

© CanalSur

Verónica deu-nos uma sublime interpretação de “La Loba”. Como justamente disse Pive, foi uma interpretação plena de “garra, fuerza y sensibilidad“. E parafraseando uma espectadora esclarecida, “versión fantástica de La Loba” por uma “voz de fragua, casi rozada, sin estridencias“. Não alcançou a adesão do grande público pelo seu carácter incomum e esquisito.

© CanalSur

Sandra encantou-nos cantando “Cariño ciego” com a força e requinte de execução que a caracterizam. Em vários momentos ouvimos a soprano de grande classe.

© CanalSur

Sebastián, pai de Laura LARREA, que nos deu uma curta mas intensa e agradabilíssima interpretação da “Niña de Fuego“.

© CanalSur

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Tiveram actuações de destaque nesta Gala 14:

Selene MOLINA não teve quaisquer dificuldades para interpretar “Canción del olé”, mas também não lhe emprestou todo o brilhantismo de que é capaz. Citando uma das nossas seguidoras atentas, “su alegria y desparpajo traspasan la pantalla“. A sua abordagem algo diletante do concurso encanta e fascina, mas poderá ser causa de embaraço se tiver que fazer face a um qualquer conjunto de circunstâncias adversas que escapem ao seu voluntarismo.

Laura LARREA interpretou correctamente, e também com delicadeza e elegância “Corona de perlas”, sendo vitima da falta de acuidade discriminatória do júri que mais abaixo evocaremos. Atribuir-lhe o mesmo número de pontos que o obtido por Mari Angeles FERNANDEZ é anomalia manifesta, que o júri tem especial obrigação de prevenir. Requintado vestido de Angeles VERANO.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Sobre o júri:

Pepe GOMEZ deu-nos a impressão de distante e de menos atento do que é habitual. Só o sentimos implicado quando foi alvo da dura critica que Pive AMADOR dirigiu ao júri.

Maria JIMÉNEZ esteve bem: pertinente nos comentários, atentíssima – nem o fugaz quase-incidente envolvendo Paco QUINTANA e o microfone lhe escapou.

Hilário LOPEZ continua parco em pontos quando se trata de pontuar os candidatos mais destacados. Lá terá as suas razões, que todavia estão por demonstrar.

Os três membros do júri permanente pecaram pela falta de separação relativa nas pontuações que atribuíram a certos candidatos, talvez explicável pelo facto de se tratar de uma gala “festiva“, em que a contemporização pareceu estar na ordem do dia.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Pive AMADOR uma vez mais fez tábua rasa da correcção politica, pondo o dedo em duas feridas que, objectivamente, parecem prejudicar o trabalho do júri permanente: a tendência para pontuarem mais as coplas do que as execuções das respectivas, e uma (aparente?) penalização de temas carentes de nota dramática. Causou comoção visível nos atingidos, sendo de prever que a controvérsia não fique pelos bastidores e obtenha exposição mediática.

Partilhamos integralmente a sua decisão de submeter Laura LARREA ao desafio, pois foi clara prova de confiança na candidata, que esta honrou plenamente.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Menos referidos, mas com imensos méritos e contribuição decisiva para a qualidade do programa, devemos mencionar Eva GONZALEZ, que ao longo destes três anos se tem erguido a um grande nível profissional, e os excelentes bailarinos Pedro e Cristina, sem os quais as galas seriam bem menos brilhantes. OLÉ EVA, OLÉ PEDRO, OLÉ CRISTINA!

2M

A %d blogueros les gusta esto: